Lei do Portão Eletrônico


A população de São Paulo está recebendo mais um presente da Câmara Municipal de São Paulo pelos 464 anos de fundação da Cidade.

A Lei do Portão Eletrônico vai impactar ainda mais o bolso da população que mais contribui para o progresso do Brasil, em que os vereadores descobrem a cada dia uma novidade para penalizar os munícipes.

Sugerimos ao Tribunal de Contas do Município e outros órgãos competentes na fiscalização das Finanças do Município que façam auditorias nas contas dos vereadores que elaboraram o Projeto de Lei 190/17 (Lei nº 16.809 de 23/janeiro/2018) para descobrir se há algum envolvimento com as empresas de sinalização eletrônica ou indústria metalúrgica de portões eletrônicos.

Esta é mais uma das leis municipais que causarão impacto na população paulistana, tal como foi a “Lei das Calçadas” e outras, e que depois de muitas reclamações caíram no “esquecimento” por não atender às necessidades da nossa cidade.

A população quer ver as ruas asfaltadas, sem buracos, bem sinalizadas, identificação das propriedades adequadas e atualizadas, ruas iluminadas e segurança nos bairros afastados do centro, transporte público com menos intervalos, entre muitas prioridades de uma cidade grande.

Não aceitamos regulamentos para construções de edificações e equipamentos já instalados. Isto é provocação e não regulamentação de obra pronta. Existem normas técnicas para a instalação de portões eletrônicos, desde a fabricação até a colocação.   

Até parece que a nossa Cidade de São Paulo não completou 464 anos de fundação e precisa ser organizada nas obras já existentes.

 

Jayme Pereira da Silva – São Paulo – SP - sábado, 27/janeiro/2018

www.jaymesilva.com.br

jaymensagens@globo.com

Fonte: Diário Zona Norte



A íntegra da Lei, publicada no Diário Oficial da Cidade nesta 4ª feira (24/janeiro/2018):.

 

LEI Nº 16.809, DE 23 DE JANEIRO DE 2018 (Projeto de Lei nº 190/17, da Vereadora Sandra Tadeu – DEMOCRATAS)

 

Dispõe sobre o funcionamento dos portões e cancelas automáticas no Município de São Paulo.

 

BRUNO COVAS, Vice-Prefeito, em exercício no cargo de Prefeito do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, faz saber que a Câmara Municipal, em sessão de 13 de dezembro de 2017, decretou e eu promulgo a seguinte lei:

 

Art. 1º Os portões e cancelas automáticas pivotantes ou basculantes que permitem o acesso de veículos ou pessoas não poderão, em seu movimento de abertura, fechamento ou travamento, projetar-se para fora do alinhamento do imóvel, a fim de proteger a integridade física dos pedestres e evitar dano aos veículos que trafegam no local.

 

Art. 2º Os portões e cancelas que já existem e não observam o disposto no art. 1º desta lei deverão ser adaptados, cabendo ao proprietário ou possuidor do imóvel adotar uma das seguintes formas de adequação:

 

I – instalação de sensor eletrônico capaz de detectar a passagem de pessoas e veículos, obstando o prosseguimento da abertura ou fechamento;

 

II – instalação de sinalização sonora e luminosa 15 (quinze) segundos antes da movimentação do portão ou cancela, a fim de alertar pedestres e veículos que transitam no local;

 

III – adaptação do portão ou cancela a fim de que passe a ser deslizante e não se movimente para fora do alinhamento do imóvel;

 

IV –  adaptação do portão ou cancela a fim de que se movimente para dentro do imóvel, não ocasionando risco aos pedestres que passam pelo local.

 

Art. 3º O descumprimento do disposto nesta lei sujeitará o proprietário ou possuidor do imóvel às seguintes penalidades:

 

I – intimação para sanar as irregularidades no prazo de 30 (trinta) dias;

 

II – em caso de descumprimento da intimação prevista no inciso I deste artigo, multa no valor de R$ 250,00 (Duzentos e Cinquenta Reais);

 

III – reaplicação da multa prevista no inciso II deste artigo a cada período de 30 (trinta) dias até o efetivo cumprimento da lei.

 

Parágrafo único. O valor da multa será atualizado anualmente pela variação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo – IPCA, apurado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, ou por outro índice que venha a substituí-lo.

 

Art. 4º Fica concedido o prazo de 6 (seis) meses para a adaptação dos portões e cancelas existentes aos termos desta lei.

 

Art. 5º O Poder Executivo regulamentará esta lei no prazo de 60 (sessenta) dias, contados da data de sua publicação.

 

Art. 6º Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.

 

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, aos 23 de janeiro de 2018, 464º da fundação de São Paulo. BRUNO COVAS, Prefeito em Exercício ANDERSON POMINI, Secretário Municipal de Justiça JULIO FRANCISCO SEMEGHINI NETO, Secretário do Governo Municipal Publicada na Casa Civil, em 23 de janeiro de 2018.

 

 

Jayme Pereira da Silva – São Paulo – SP sábado, 27/janeiro/2018